Jejum intermitente não oferece vantagens para perda de peso

Uma das dietas da moda, o jejum intermitente não tem nenhum benefício sobre aquelas com restrição calórica em relação à diminuição do peso ou dos fatores de risco cardiovasculares, conforme demonstrou um estudo randomizado, publicado pela revista científica da Associação Médica Americana (JAMA), uma das mais respeitadas no meio científico no mundo, neste ano.

O estudo acompanhou, durante um ano, 100 pacientes que foram divididos em três grupos, sendo um deles submetido à dieta de restrição calórica, outro sem nenhuma orientação (controle) e um terceiro com o jejum intermitente, que intercala um dia com uma dieta de aproximadamente 500 calorias e o outro, à vontade.

Além de demonstrar que os resultados são iguais à dieta de calorias reduzidas em termos de perda de peso ou redução de fatores de risco cardiovascular, o estudo comprovou que mais pacientes desistiram da pesquisa no grupo do jejum intermitente: 38% deles, contra 29% entre os que estavam no grupo da restrição calórica diária.

A conclusão que podemos tirar com esta publicação é que, como acontece com outras dietas restritivas, existe perda de peso sim, mas muito semelhante à reeducação alimentar se analisarmos em longo prazo com o agravante de que as pessoas que escolhem as dietas restritivas, como o jejum intermitente, apresentam maior tendência ao escape da dieta, principalmente por estímulos sociais, e desistem mais da dieta ao longo do tratamento, voltando a comer como faziam antes de seu início.

Portanto, a melhor e mais efetiva dieta é aquela que o paciente consegue fazer e manter e deve ser individualizada. Por isso, trabalhamos no Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz com uma equipe multidisciplinar capacitada para orientar o paciente sobre as necessidades nutricionais, negociando trocas possíveis de serem realizadas.

Autor: Dra. Tarissa Beatrice Zanata Petry - Endocrinologista
Data: 26/05/2017