Coach dá detalhes da nova dieta de Larissa Manoela: adolescentes podem fazer regime?

Com o intuito de aparecer mais magra em seu próximo trabalho na TV e também deixar sua alimentação mais saudável, a atriz mirim Larissa Manoela aderiu ao programa de emagrecimento “Seca Você”, da life coach Mayra Cardi.

O projeto é o mesmo que secou Anitta em apenas um mês. No entanto, o fato de Larissa Manoela ter apenas 16 anos levanta preocupações: adolescentes podem fazer dieta? Quais são os impactos físicos e psicológicos de fazer restrições alimentares tão cedo?

Larissa Manoela entra em programa de emagrecimento

Pelo Instagram, a atriz contou que tem comido apenas as refeições enviadas pela equipe da Mayra, que são preparadas pela empresa de refeições saudáveis Medida Natural.

Em um dos vídeos, a estrela do SBT mostra uma das “marmitas”: couve-flor com camarão e folhas verdes. Ela ainda contou que as seis refeições que faz ao dia chegam todas em recipientes separados. Ela só precisa esquentar e comer.

“Eu estou neste projeto superbacana para me alimentar bem, porque o importante é se alimentar de uma maneira saudável e ter disposição, energia”, defendeu.

Como é a dieta?

Ao ser questionada sobre os cuidados específicos com uma paciente adolescente, Mayra respondeu que os planos alimentares de seus clientes são sempre individualizados e elaborados pela nutricionista de sua equipe de acordo com as necessidades nutricionais de cada cliente e que, por isso, a idade da atriz não a impede de aderir ao “Seca Você”.

“A Larissa até quer emagrecer um pouquinho para a novela, mas o foco dela é a saúde. Como ela veio agora de uma viagem para Disney em que acabou comendo um pouquinho a mais, ela me falou: ‘o emagrecer é legal, mas não é a minha prioridade’”, esclarece.

A life coach também comenta que a jovem vai “comer de tudo que as pessoas precisam”, mas vai banir os industrializados de seu cardápio. “Terá até doces saudáveis, que não levam nada de açúcar, nada de gordura , nada de fritura, nem nada industrializado”.

Sobre sua nova cliente, Mayra disse que está muito feliz em acompanhá-la justamente porque os fãs da atriz são, predominantemente, adolescentes. “Ela fala diretamente com adolescente e o intuito do programa é mudar o modo de vida das pessoas, o conceito das mães em relação às crianças que comem muitas porcarias, e a Larissa está na escola ainda, ela é uma pessoa muito influente. Ter uma pessoa que fala diretamente com as crianças para mim é muito grandioso”, comemora.

Dieta na adolescência é perigoso?

Para a endocrinologista da Unifesp Angela Maria Spinola-Castro, aderir a um projeto de emagrecimento ainda na adolescência pode ser muito perigoso, já que os jovens precisam de um aporte nutricional grande para se desenvolverem.

“A restrição alimentar impacta muito o crescimento, tanto que, se uma criança obesa emagrecer muito, ela para de crescer e nem sempre consegue recuperar este crescimento, já que as meninas crescem até os 14, 15 anos, e os meninos, até uns 16”, explica.

Nos casos de adolescentes que já são magros, como a atriz, Angela comenta que pode acontecer perda de massa muscular, massa óssea e até desnutrição. No caso das meninas, é possível até que parem de menstruar caso sigam uma dieta restritiva como, por exemplo, a low carb – que é pobre em carboidratos.

“O desejo de emagrecer de pessoas que já são magras pode indicar problema de autoestima e até uma possível anorexia nervosa. Se o grau de comprometimento nutricional for muito alto, o organismo até passa a funcionar mais devagar para poupar calorias, semelhante ao que acontece com pessoas que têm hipotireoidismo”, observa a doutora em pediatria.

Se o adolescente já estiver com sobrepeso ou até obesidade, aí sim é o caso de procurar uma equipe multidisciplinar para que ele emagreça de forma segura e saudável. A orientação de especialistas é que a criança ou adolescente seja levado a um nutricionista e também a um pediatra ou endocrinologista para fazer um acompanhamento. Em alguns casos, pode ser que os médicos indiquem também um apoio psicológico para tratar a relação do jovem com a comida.

Sinais de alerta

Alguns adolescentes iniciam dietas depois de conversarem com os pais, mas também pode acontecer de o jovem decidir por conta própria que quer emagrecer, o que pode ser bastante perigoso. Por isso, é importante ficar atento aos sinais de alerta que podem surgir em dietas restritivas.

“O adolescente pode sentir mal-estar, ter fraqueza, hipoglicemia, dificuldade para se concentrar, mudanças bruscas de comportamento, se irritar facilmente, ficar abatido, apresentar diminuição dos batimentos cardíacos e ficar com mãos e pés gelados”, lista a endocrinologista.

Para Angela, é importante que os pais e familiares fiquem atentos a todos os comportamentos dos jovens, inclusive, se estão comendo alimentos adequados, se estão pulando refeições ou até praticando mais atividade física e comendo menos com o intuito de emagrecer.

“Os jovens têm que comer muitas frutas, verduras, legumes, saladas, grãos. Não precisam comer pães e massas em excesso, mas também são alimentos que devem estar presentes. A qualidade da alimentação é superimportante, ela tem que ser variada. Ser saudável não é sofrimento, é um modo de viver”, enfatiza a especialista.

Riscos psicológicos

Na opinião da doutora em pediatria, o ideal é que os jovens sejam estimulados a praticar atividade física e a manter uma dieta balanceada, saudável, mas sem restrições.

Para a psicóloga do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital alemão Oswaldo Cruz Graça Maria de Carvalho Camara, um jovem magro que demonstra desejo de iniciar um regime ainda na adolescência pode indicar uma grande insatisfação com o corpo e/ou uma relação ruim com a comida, o que é muito perigoso – já que estes fatores psicológicos são gatilhos para o aparecimento de distúrbios.

Por isso, Graça comenta que é importante que os pais criem os filhos sem relacionar a comida ao emocional. Segundo ela, prometer que o filho vai ganhar uma bolacha ou um lanche apenas se ele se comportar ou fizer a lição de casa, por exemplo, não é correto.

“A comida não pode ser recompensa. A criança e adolescente tem que ter uma relação boa com ela desde sempre, porque é justamente a partir de múltiplos fatores emocionais relacionados à alimentação que surgem os transtornos alimentares”, explica a psicóloga.

Para Graça, os pais devem estimular uma alimentação saudável, não a perda de peso. Desta forma, o adolescente conhece os alimentos, aprende a ter uma alimentação balanceada e fica menos propenso a aderir a dietas da moda.

Data: 04/09/2017
Fonte: PORTAL VIX