Por mais acesso ao tratamento do diabetes com a cirurgia metabólica

De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, existem atualmente mais de 13 milhões de pessoas vivendo no país com a doença, um número que tende a aumentar. No Brasil, as doenças crônicas não transmissíveis, caso da obesidade e do próprio diabetes, são responsáveis por mais de 70% das mortes, principalmente por causas cardiovasculares, como infartos e derrames. Inquestionavelmente, as pandemias deste século são a obesidade e o diabetes.

O controle do diabetes em nosso país é preocupante. Estima-se que 75% dos pacientes não conseguem obter o controle adequado da glicemia. Isso mesmo com o aparecimento de novos remédios. O diabetes, assim como a obesidade, é uma doença crônica e progressiva e, em um bom número de pacientes, os medicamentos têm seus limites de eficácia.

Outro dado importante é que, em doenças marcadas pela utilização de drogas orais ou injetáveis de uso contínuo, eventualmente várias vezes ao dia, a adesão ao tratamento vai progressivamente diminuindo.

Recentemente, a pandemia de Covid-19 chamou ainda mais nossa atenção para os casos de obesidade e diabetes, pois foram aqueles com o maior risco de evoluir para as formas graves da infecção e morte pelo coronavírus. Em suma, ficou mais evidente do que nunca que precisamos tratar essas doenças com rigor.

Diversas pesquisas demonstraram que cirurgias no aparelho digestivo têm efeitos importantes sobre o controle do diabetes. Essas operações são chamadas de cirurgias metabólicas. Além do impacto na glicemia, estudos apontam que o procedimento melhora o controle da doença renal decorrente do diabetes e reduz a mortalidade por problemas do coração. Tudo isso com menos medicações e muita segurança.

A cirurgia metabólica já é coberta por planos de saúde para algumas indicações, de forma que já existe uma estrutura de atendimento que beneficiaria esses pacientes com obesidade e diabetes tipo 2. Por essas razões, foi recomendada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) em 2017.

Cerca de 47 milhões de brasileiros são beneficiários de planos de assistência médica em todo o país. E a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) define uma lista mínima de procedimentos que os convênios devem obrigatoriamente oferecer aos consumidores. É nesse contexto que se propôs a incorporação da cirurgia metabólica para pacientes com obesidade leve e diabetes não controlado.

O parecer preliminar da ANS foi negativo, mas existe a chance de reverter a recomendação e sensibilizar o órgão sobre o papel e a relevância do procedimento. Uma das etapas mais significativas para essa tomada de decisão se dá por meio da opinião da população, o que é feito através de uma consulta pública em andamento.

Garantir acesso ao melhor tratamento é fundamental para todo cidadão. A cirurgia metabólica é a última alternativa para pacientes com diabetes tipo 2 fora de controle antes de desfechos como amputações, cegueira, diálise, infarto, derrame e mesmo morte.

Ricardo Cohen é cirurgião e coordenador do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo, e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica.

Data: 22/10/2020
Fonte: VEJA SAÚDE/SÃO PAULO