Nas redes sociais, medicamento contra diabetes esta sendo indicado para o emagrecimento

O Ozempic, medicamento utilizado para tratar pacientes com diabetes, está sendo usado, indiscriminadamente, para a perda de peso. No Whatsapp e no Facebook, grupos estão disseminando a ideia de consumo do produto para essa finalidade, sem prescrição médica ou orientação do farmacêutico.

De acordo com o Estadão, nas redes sociais, pessoas estão trocando informações e fazendo relatos sobre suas respectivas experiências com o medicamento. Nas conversas, o jornal identificou que algumas delas afirmam consultar o endocrinologista antes de tomar a semaglutida (nome genérico do produto), já outras iniciam o consumo apenas colhendo informações na internet.

No grupo do Facebook são frequentes os relatos de histórias de quilos perdidos e dos efeitos colaterais indesejados. Alguns internautas até indicam ‘doses adequadas’ e fazem anúncios de venda do produto. No Whatsapp, as publicações são semelhantes.

Em entrevista exclusiva ao Portal do ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, a farmacêutica, Mônica Lenzi, especialista em diabetes no Brasil, explicou que o uso sem auxílio de um profissional é perigoso. “Usar sem orientação é complicado, porque trata-se de um medicamento injetável. Tem que ter cuidado com o armazenamento e precisa passar pelo médico para saber se você pode utilizar ou não, pois pode haver alguma contraindicação para essa medicação”.

Ela também fala sobre as reações adversas que o uso indevido pode ocasionar: “Essa medicação pode causar náuseas e cefaleia, então, tem que ter cuidado. Existe toda uma problemática do rodízio da aplicação, e o armazenamento é feito entre 2° e 8°, como a insulina”.

Entretanto, a farmacêutica explica que o medicamento tem realmente sido indicado para o emagrecimento. “Com relação ao Ozempic, a semaglutida é um análogo de incretina como a liraglutida que está no medicamento Victoza e Saxenda. A liraglutida tem aprovação do FDA e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para perda de peso e para controle do diabetes. A diferença do Ozempic (semaglutida) para a liraglutida é que a última tem que ser usada uma vez ao dia, e a semaglutida é semanal. Ela é usada nos Estados Unidos, off label, para perda de peso, ou seja, não consta em bula ainda. Como o medicamento tem o mesmo princípio, é da mesma classe, que são os análogos de incretina, a liraglutida já foi testada há vários anos e já tem aprovação”.

Mônica reforça: “Ela tem sido usada, sim, off label, para perda de peso, porque reduz de 365 picadas, porque é injetável, para 52, que é uma vez por semana. Já existem outros medicamentos, como o Trulicity, do Lilly laboratórios, que é de uso semanal e já tem aprovação do FDA para a mesma finalidade”.

Em entrevista ao Estadão, a endocrinologista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Lívia Porto, confirma a informação fornecida pela farmacêutica: “Esse remédio [medicamento] até pode ser prescrito para obesidade na condição off label, mas toda indicação desse tipo tem de ser muito criteriosa, feita por um especialista que vai avaliar os possíveis benefícios e potenciais efeitos colaterais”.

No entanto, ela faz um alerta: “Algumas pessoas que usavam outros remédios estão migrando para esse por causa da praticidade do uso semanal, mas é muito perigosa a automedicação”, destaca a médica.

Parecer do laboratório

Em nota à imprensa, o laboratório farmacêutico Novo Nordisk, fabricante do Ozempic, afirmou que “de nenhuma forma endossa ou apoia a promoção de informações de caráter off label”. A empresa ainda ressalta que “o medicamento não foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o tratamento da obesidade”.

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Data: 23/01/2020
Fonte: ICTQ/ANÁPOLIS